Edicões Gambiarra Profana/Folha Cultural Pataxó

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

PARAÍSO


PARAÍSO

As manchas ainda
Estão no canto da parede
A cama no meio do quarto
O cinzeiro com cinzas
Ao seu lado
Olhar tímido
Tempo perdido
Do amor
Que nunca será
Lembrado

8 comentários:

  1. Muito triste esse Paraíso que não está onde queremos...

    ResponderExcluir
  2. que forte Arnoldo..
    e me levou longe.. em uma realidade há muito vivida...
    beijos querido

    ResponderExcluir
  3. que nunca será esquecido.

    bjs
    Insana

    ResponderExcluir
  4. Esse paraíso não poderá ser esquecido, pois está no âmago da alma do poeta, se transformando em uma poesia cheia de sensibilidade.Parabéns, obrigada pela visita e breve pegarei os selos. Sou leiga em fazer esse procedimento e estou aguardando a ajuda da minha filha. Beijos.

    ResponderExcluir
  5. Um amor ressentido é sempre melhor nao ser relembrado,nao é mesmo?

    Querido,sorry pela ausencia mas sempre venho que posso.Nem que seja altas horas!rs

    Beijinhos meus!

    ResponderExcluir
  6. Esse poema me lembrou de uma música forte que eu sempre adorei....Táxi boy.

    "Baby, dê-me seu dinheiro que eu viver...
    Dê-me seu relógio que eu quero saber...
    Qto tempo falta para lhe esquecer...
    Qto vale um homem para amar vc"...


    A-D-O-R-E-I !!!!!!

    ResponderExcluir
  7. Obrigado pelo carinho da visita.
    Acho que...o amor sempre é lembrado mesmo que sobre as cinzas.
    Parabénsssssssss.
    Beijokas.
    Mudou o visual ou...é impressão a minha?
    Beijokas milllllllllllllllll

    ResponderExcluir