Edicões Gambiarra Profana/Folha Cultural Pataxó

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

BORBOLETA


                                            BORBOLETA

Ainda que eu tiver que ver o crepúsculo
Pelo quadrado da janela
Tendo o chão gélido e molhado como colchão
Não desanimarei

Ainda que eu tiver que imprimir jornais
Na calada da noite
Para ser perseguida na calçada
Eu continuarei a panfletar meus ideais

Ainda que eu tiver que ficar com meu corpo nu
Para ser torturada
Para ser massacrada
Eu serei Minerva e firme ficarei

Ainda que eu tiver que sair do casulo
Para bater asas nas ruas de vidro
E sangrar todos os dias
Eu voarei

Ainda que eu tiver que perder minha vida
Na estrada deserta
Para vidas serem livres
Minha vida eu darei

7 comentários:

  1. LINDO! LINDO! LINDO......
    NÃO TEM COMO DESCREVER TÃO BELO MPOEMA...
    aBRAÇOS CARINHOS
    Preciosa Maria

    ResponderExcluir
  2. Nossa! Lindo demais!
    Amei!
    Parabéns, pelo excelente trabalho.
    Perfeito!..

    Beijos.

    Marion

    ResponderExcluir
  3. Uma linda entrega...
    Bela poesia!
    Bjs
    Mila

    ResponderExcluir
  4. ''Na calada da noite
    Para ser perseguida na calçada
    Eu continuarei a panfletar meus ideais''

    Sempre adorei borboletas, seja pela leveza, suavidade ou entrega.
    Mas em sua breve vida, de uma coisa eu sei: não desistem de voar.
    Que sejamos como as borboletas.

    ResponderExcluir
  5. Ola querido!

    Fantastico seu poema!

    "Depois de tantas horas
    Ainda haverá o carinho
    Que ficará a esperar
    Pelas horas que ainda vão chegar"

    Ainda bem né!?Um carinho é sempre bom!

    Beijos com carinho!

    ResponderExcluir
  6. Acho QUE fiz confusao!
    Comentei nesse poema as palavras que eram para o posterior a esse!

    Entao quando vc publicar eu faço a correçao!rs

    Essa aqui eu so posso dizer que é magnifica!

    Beijos,beijos

    ResponderExcluir