Edicões Gambiarra Profana/Folha Cultural Pataxó

terça-feira, 5 de outubro de 2010

GOTAS DO SOL


GOTAS DO SOL

Tem dias que olho as gotas do sol
Ou as gotas de chuva
E penso em você
E penso nas gotas que farão o anoitecer

Penso nas folhas que balançam ao brindar o vento
Penso nas flores do seu olhar
Olhar meigo que através das gostas eu vi
Vento feito das folhas do olhar que senti

Tem dias que sinto as flores
Que enfeitam o jardim
Que nasceu das gotas do sol

Das gotas de chuva
Do orvalho que veio na noite
Apenas para sorrir

7 comentários:

  1. De esquecer que um dia eu tive dor e agonia!

    Perpetuando sempre esse amor na mente!...

    Betânia Uchôa


    Saudações Poéticas! Beijos no coração!!M@ria

    ResponderExcluir
  2. é, das gotas do sol e da chuva, também da ternura, dos afectos, nascem flores, logo jardins, plenos de sorrisos e alegrias.
    muito lindo o teu soneto Arnoldo, cheio de doçura.
    beijo meu.

    ResponderExcluir
  3. Maravilhoso poema!abraços,chica

    ResponderExcluir
  4. Olá boa noite amigo... desculpa a ausencia eu ando trabalhando muito... fim de ano só correria, mas sempre que posso dou uma passadinha em seus blogs... adoro seu textos, pensamentos e poema... ajuda-me a ter mais inspiração... Obrigada pelo carinho e amizade.

    Ps. Linda poesia, adorei... parabéns

    ResponderExcluir
  5. Lindo poema, de ternura e encanto..
    Adorei!

    Beijos.

    Marion

    ResponderExcluir
  6. "Não é o mais forte que sobrevive, nem o mais inteligente, mas o que melhor se adapta às mudanças"
    Charles Darwin


    Bjs
    Insana

    ResponderExcluir