Edicões Gambiarra Profana/Folha Cultural Pataxó

domingo, 7 de novembro de 2010

OS DIAS E AS NOITES


OS DIAS E AS NOITES

Não quero parecer triste
Mas estou com receio
De estar seguindo lentamente
Como num barco a remo
"Rumo ao Farol"
À caminho das trevas
Tenho medo de abocanhar o anzol
Que a solidão atirou
Para conquistar-me por inteiro
Todas as tardes
Procuro esconder-me da noite
Fugir do feixe de luz
Que insiste em iluminar minha vida
Fico embaixo das cobertas
Tentando evitar ser invadido
Pelas nuvens da desesperança
Evito despir-me para meus pensamentos
Minhas cobertas são minha ilha
Minha ilha sem farol
Não quero que me vejam
Que encontrem minha alma
Nos rochedos que as águas
Vão banhar
Durante
Os dias e as noites
Que ainda estão por vir

12 comentários:

  1. Arnoldo,
    Que canto pleno de desassossego...!

    Abraço

    ResponderExcluir
  2. Que lindo, amigo!
    Lindos versos, deliciosos!
    Adorei, viu?
    Agradeço suas visitas!!

    =)

    Álly

    ResponderExcluir
  3. Querido!

    É nas noites que nos escondemos e descansamos para recuperar as forças pra continuar remando!

    Gosto de sua palavras!
    Admiro sua sensibilidade!

    Beijos,beijos!

    ResponderExcluir
  4. Ah... eu não fujo da luz...

    Abraço!

    ResponderExcluir
  5. Arnoldo !
    Belas Palavras, que vc continue sempre inspirado. Fik na paz !

    ResponderExcluir
  6. Linda a imagem do farol, lindo o poema expondo mentes e fugas, amei, beijos .

    ResponderExcluir
  7. Querido amigo, primeiramente vim agradecer a gentil visita, seja muito bem vindo. Vim conhecer teu espaço e adorei tua poesia, principalmente essa com esse farol maravilhoso, sou apaixonada por faróis, para mim eles são mágicos. Estou seguindo você. Tenha uma linda semana. Beijocas

    ResponderExcluir
  8. ... não diria triste, diria desinquieto por ansioso e inseguro.
    poema lindo, como um grito, um SOS.
    gostei muito.
    beijos.

    ResponderExcluir
  9. Fotos lindas e poema maravilhoso,tem momentos que só queremos estar conosco,quietos pois somos o proprio farol apagado. Amei e me identifiquei. Montão de bjs e abraços

    ResponderExcluir
  10. A maré oscila...os dias mudam a vida é aprendizado, obrigada pelo selo beijo Lisette.

    ResponderExcluir
  11. Aqui o desassossego da alma, se transformou
    em um lindo poema..
    Parabéns Anoldo pelo excelente trabalho.

    Beijos.

    Marion

    ResponderExcluir
  12. Olá Arnoldo!

    Linda poesia! Belas palavras que transmitem de forma clara a insegurança humana. Parabéns!
    Obrigado pelo carinho no meu espaço. Fica aqui o convite para que retorne!

    Abraço,

    Thiago

    ResponderExcluir