Edicões Gambiarra Profana/Folha Cultural Pataxó

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

TORRES



Algumas pedras se confundem com a areia da praia
Que se mostra ao horizonte
Preto e branco
Não há aves
Só pedras
Areia e mar
Fundo do quadro
Fundo do mar
Fundo do céu...
A nos julgar

A voar em volta das torres
Desertas
Que sobraram

Arnoldo Pimentel

9 comentários:

  1. Meu querido amigo

    Por vezes as esperanças ficam cobertas por castelos de areia que o mar leva.
    Lindo sempre.


    Um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderExcluir
  2. Pedras,usadas para construir ou para destruir,a escolha é nossa.

    Lindo poema, parabéns pela sensibilidade.Tenha uma semana abençoada.Bjs

    ResponderExcluir
  3. Minha imaginação foi para este lugar que inspirou mais um belo poema.
    Parabéns e uma semana maravilhosa. Beijos

    ResponderExcluir
  4. OI ARNOLDO!
    TORRES QUE TALVEZ ESTEJAM NOS REPRESENTANDO EM TUA IMAGINAÇÃO, NA VIDA REAL, OU NUM QUADRO PENDURADO EM UMA PAREDE QUALQUER...
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/ClickAQUI

    ResponderExcluir
  5. Neguinho vc me fez viajar pelas belíssimas praias de Águas de Olivença... Lindos versos!!!
    Um xeeero!!

    ResponderExcluir
  6. Bom dia!
    Maravilhoso seu poema,como as ondas do mar que vão e que vem e nos trazem saudades de muitas coisas.
    Grande abraço
    se cuida

    ResponderExcluir
  7. As suas palavras embalam os sentidos.
    Abraço
    cvb

    ResponderExcluir
  8. Toca o coração que por vezes está sem esperanças...Abração

    ResponderExcluir